Paulo Duarte Filipe

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estudo Tridimensional

 

Do

 

Ser

 

 

 

 

 

 

 

Volume I

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Thomas S. McRae

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Novembro de 1980

A aqueles que

Nunca conheceram um

Momento de verdadeira                         

Paz

 

E

Também

 

Pela solidão

 

               Thomas S. McRae

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

-- PRE??????FÁCIO---

 

 

 

 

 

Porque deveria existir um prefácio?!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Prefácio

 

 

Pede-se àquele estrábico                    a que se recupera analogia                em em analogia                

á procura da complementação           infinita e lúdica esta apetência                         à morte

o estojo lilás estático                           e litúrgica em a iniciática magia                      toda nova ia

a estrela condoída em a mão              correlaciona a conexão em existência             sem passaporte

 

                                                                estética profanada de inter mutabilidade

                                                                alheia a equivalências enigmáticas

                                                                dualistas remotas e em pura idade

                                                                a que ameladas se prendem enfáticas

 

Percorre-se a bruma                             litigiosa deflagra em a dialéctica                     o ser polido

e mais a outra tortura                           espanta a insurreição perdida                           mais o bocejo

ondulante em a espuma                      estandardizada escapa sem ética                      do desejo vendido         

espera-se a amargura                           da única que assim sofra vida                            completa-me o desejo

 

                                                                lúcido retardador em sacramento

                                                                mutilado sem cremor-tártaro e tanino

                                                                côncavo cristal de tremor lento

                                                                acabrunhado e obscuro ser divino.

              

Permite-se  em o navio                        sortilégio Saint-Germain pela escada             inquieta ia silhueta

do opaco ao perfume                           da precocidade em doce filigrana                     fina em o ataúde

escrúpulo do ao frio                            requinte em esfinge adunca adulada                sem virtude em a proveta

da vida e mais o ciúme                        desleal amplifica a biforme dama                     quero a tua virtude

 

                                                                inalienável canto coalescente

                                                                excluído mito deste aforismo exasperado

                                                                generosa vida esta real lente

                                                                fluida morte deste para outro lado

 

Perdoa-se em o palco                          tremulo obelisco pós brando                              desta louca corrida

do olhar vulpino                                   com noites indiferentes à descoberta              parto à aventura

a lágrima e ao assalto                          e o tédio pelo ruído está quando                        por outra vida

a lua nova menina                                redescubro o sorriso da profeta                        ter de ternura

 

                                                e em o fundo desta chávena suja

                                                                reparte-se o tridente da a pantofobia

                                                                pela cor da a forma presença cuja

                                                                destrói a gravata e o ser em agonia.

                                                           

                                                       

 

 

 Top

 

 

 

 

 

I

 

A nuvem branca

encobre

o fetiche azulado

teu.

Reprimem carícias

ténues

os dedos loiros do astro

rei.

 

 

 

 

II

 

Soturno gesto

insípido partilha heróis

a branco e negro

em a galeria.

Ao fundo

a mais bela tela

suporta

a penumbra húmida.


 

 Top  

 

 

III

 

 

desdobro-me em múltiplas sombras

umbrais de portas

aluaradas.

Pretendo

prolongo mais um pouco

o lusco-fusco, mas é a noite da bola

branca.

 

 

  Top

 

Parte Primeira


 

 

 


 

Que negro brilho         brilha de tão negro                                     zás

Trespassou a litosfera                          zás-zás                 de tanto trespassar

                            zás                            quem é o culpado                         alces

                            que negro brilho                            holofotes                               à

esquina surge o cano negro da metralhadora                       não muito complexo de  

tanto o ser                               se me afigura a vida                          supõe-se que se

chora                          não                                por quanto tempo o homem eleito se

permite manipular                                venho porque todos assim o fazem

            a sub camada reage de modo violento                                        nada mais se

revela tão ignóbil                             assim                               e tenho-me por completo

em a engrenagem universal

 

 

 

 

                                           a torre alta

                                                            edifica-se

                                                                           em as tuas nuvens

                                           ahahahah

                                                           em as nuvens

                                                                                 meu amigo

                                           meu amigo

                                                             não podes           

                                                                              porque não podes exigir-me

 

                                                                                                              a demissão

                                                                                                              a fuga

entrega total

                       zás

                            assim sobrecarregado levanto e perfuro e revejo o mundo.

Nada                            absolutamente nada. Precisava                                  pré

                       cisava de algo putrefacto

                                                             e eleger-me em a timidez dos teus sonhos.

 

 

Olá

     Sabes-sentado-sentirme-ia-santo e mais um s António-ou-Antero-ou-

-Agostinho-ou-Antão-até-André

                                                                   (quero Paz)

 

Bem

Bemmas                                     mas                                coberta a moradia estrela de

Girassóis brancos                                      convida-se o génio de dedos polidos a um

Breve e mereciso repouso. Entretanto                                           em a parede florida e

Com uma inclinação exacta de quarenta e cinco graus                           sua Excelência

                        O senhor Conde                        limpa                       por fim

O seu anel de pérola uni facetada                                   há dois séculos e meio sob

Fina camada de poeira d’oiro branco. È                          porém             violentamente

Interrompido pela fotografia tuberculosa                                     pálido e tuberoso

Rosto de um                        de um                                                       de um

         

seu sobrinho demente que lhe confessa                                  triste e abatido

                        Encontrar-se em uma situação de total impotência.

 

 

 

 

Complacentemente

                              Dois longos pontos

                                                           Não me perco mais

 

(é impossível perder-me mais)

mas

mas                        mas

                                  reparo

                                            fico novamente desmembrado

 

 

Paris

        ama

                Dulcineia

                               relação extra-biológica

                               estritamente extra-biológica

                                                                            em V (vida)

                                                                                                                  a morte.

 

 

Seria em o psiquiatra loiro                      mas              pensando que não

e                        apesar de tudo correr de acordo com o desejo supremo

e                        tendo como base plena de certeza                 a necessidade

de concretizar-se em uma fuga claramente inglória                o semi-apolo

julga intransponível o choque inteligível de imaginar banalidades

             retoma-se o choque brutal e com uma soma excepcionalmente

exorbitante                     a senhora professora primária em um plano deveras

curioso                            relata à irmã              a experiência dolorosa toda

em sintonia com a revolução em a discoteca perfumada em o calendário

tibetano                       o espião contempla                absorto

a professora primária                          plenamente transtornado

                       o herói retira-se

                                                retrai-se

assassina o proprietário

                                    assassina

                                                  assassina

                                                                 da discoteca

                                                                                     estampada

de

roxas               roxas rosas

afunda-se em o maple

ouve-se o seco tiro

três versões correm e confudem os investigadores oficiais

PIM             PAM           PUM        o assassino confessa

                                                                                            foi PUM

Sempre haverá em mim o poeta com o s braços três vezes maiores

que os meus e             o espírito verdadeiramente mais simples.     

                        (sinto-me só              siginificativamente só

                               em a paisagem menos indefinida que criei e

                              onde subsistem em uma confusão total todas

                              as árvores arrancadas aos teus cabelos e todo

                              o fel de pinhas novas                                   ah

                             que virgem estranha povoou esta cidade

                             suspensa                                e em cada recanto

                             ligeiramente mais escuro                             que

                             valsa compuseram para tu dançares em mim

                                              ei       ei

                             poucomaisquecoisaporseremcadapétala

                             poucomaisquecoisaporseremcadalágrima

                                           ah

                             QUEDORESTAQUEMENLOUQUECE)

 

 

 

Espíritos sobrevoam-me                             malignos                     repousam

em a minha magra carcaça                             e                      eu

novamente                    procuro saber                           que virgem andou

por aqui.

 

 

 

  Top  

 

 

As mãos nuas em a cidade semi-adormecida                      retiram a

Luz aos meus olhos. Reconhecidamente                                 retomo

O sono mas em o meu rosto revelo-te meu-ser-mais-que-herói a

Tonalidade única                         agonia máxima que me atrai e com

A qual pintei o meu mundo.

 

 

 

                                     (eterno anarquista              o poeta

                                        suicida-se constantemente)

 

 

 

  

 

 

 

Surgir assim potro selvagem pelugem suave provocante saltando

o equador para o lado de cá é a cena mais erótica que o              o

pensamento castrado de um intelectual requiiiiiintaddamente

polido poderá imaginar.

 

 

Quem julga ele ser?

 

Na volúpia perfumada e falsa dos seus olhos oblíquos eu  eu  eu

Abstenho-me de ser poeta!

 

Nada é mais triste…

 

  Top

 

 

 

I

 

Centrais atómicas sobre fundo verde sobrepõem-se aos genes

Não sei bem quantos ares me trastornam. Nascerei

talvez              em uma outra podre dimensão provido

                       igualmente               de cabeçatroncomembros

que é a mais elementar evidência do escolarizado estudo

humano. Dirão                      então                mas que

terrível mutação!

 

 

                Oh!!! Que maravilha!!

 

 

 

 

 

 

 

II

 

 

 

Radiação atómica                  estimativas que sobrevivem em a dantesca

Gravidez de mulheres moribundas. Determinadas reacções detectam

Hipotimia. Senil                   o deus pagão              ergue o fatídico

Dedo e infame proclama em a diferença abismal da minha para a tua

Atmosfera                          que o céu cor de rubi puro multifacetar-se-á

Em n n n n n n n n portos infernais onde o derradeiro navio encalhará

Em o contentor de chumbo número milhão e tal.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

III

 

Desconheço o processo                                  pactuo com tal magnetismo

aberrante em uma chama equidistante de abençoadas mariposas

tímidas e fungos pintalgados em a margem retalhada

simples curva meridional sem muitos sonhos vagos ou dúbios

 

Reaparece                       então                     asubtileza africana

            a espaços solitária                    a instantes cálida

    adensa-se a voluptuosa claridade e                       sagaz                        a

longa tarde em a paternal noite                       despreocupadamente

          aconchega-se.

 

 

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

--ALÍNEA ÚNICA—

 

Retiro desta real atmosfera que                        docemente

     me embala                        o germe da putrefacção e

grato                            eternamente grato                  entrego-me

a ele                             símbolo verdadeiro e único da dadadada

                  da abrogênese unversal.

 

 

  Top

 

 

 

 

(encontro em o mundo               New York is cold                                      “mas nem

New York é a capital do mundo                   nem a sua grande ou não amplitude térmica

                        térmica                 são assuntos que me interessem”

encontro em o mundo metempsicose esquizofrénica e estoicamente                 o ludibrioso

licorne de mármore listado morre.

 

 

Em o mesmo segmento da semi-recta                            evolui o festim licencioso e macabro e

eloquente divaga o curioso maître.

 

Entretanto                         a luz idílica esconde                             afectuosamente

              a ruiva senhora inglesa e sua atraente e mística filha)

 

 

 

Em-a-noite-certa-vez-em-a-nite-em-aquela-noite-senti-ser-profundamente-

-urgente-libertar-o-ser-enquanto-ser-por-ser-séria-questão-digna-de-ser-

-ponderada.

 

  

 

I

 

 

Flautas acorrentadas em o campo B dos prisioneiros trajados

De imaculados trajes                         suplicam

Em uma melodia melancólica                       que não e violente

A inocente e casta madrugada.

 

 

 

 

 

 

II

 

 

Pelo amanhecer                           informações obtidas via extra-oficial

confirmavam terem as autoridades prisionais encerrado todas as

instituições privadas e estatais que procuravam a total reabilitação

e reintegração dos indivíduos atingidos por um um um um um

“secretamente desconhecido” ou “desconhecida mente secreto”

Vírus.

 

 

Afirma-se                   igualmente                   que esta inédita

atitude               se ficou a dever ao falecimento súbito de

todos os internados. Supõe-se que o nascer de um novo dia terá

tido uma importância relevante em este estranho caso.

 

 

 

 

 

III

 

Informações de última hora                       revelam que                         tal

como oficialmente se pressupunha                       foi um vírus

sobre o qual ainda nada se sabe                            o único agente causador

de tal epidemia. É de prever                      contudo                       possuírem

já as autoridades governamentais                          elementos claros e

suficientes sobre o vírus. Ou será                         também este

um vírus oficial?

 

 

 

 

 

Que paisagem esta                    inadvertidamente colocada em a minha

Longa mas estreita parede verde                     me atrai a uma dulce e

Eficaz apatia urbana!

 

 

 

Que tema oferecerei a Cézame quando os meus doridos olhos já

Colheram todas as-cor-de-ouro-medas-de-palha-cercas-vermelhas-

-de-madeira-azuis-casas-de-granito                          este bungalow

                       esta anciã fachada isenta de sombras              esta

fatídica parede

 

 

(Paul Cézame nunca pintou casas de granito)

 

 

 

 

 

 

Senhores        apresento-vos o poeta

 

 

 

A figura tua

Que me projecta em a parede

Parede nua

Devolve-me o salto em a rede

Da moça brilhante

Que avança em o espaço e recua

Em mim      instante a instante

 

 

 

 

Ou             ou

 

 

 

 

 

 

 

 

Ou                         ou

 

A noite       brilhantemente

Embandeirada entre fachadas

Falenas      pordentro

Dentro

Dálias

Protegia vaga lumes

Cintilantes os embutidos

Percorriam o manto celeste

Reter-me em o espanto

Da noite anterior

E avançar

Avançar um pouco mais

Mais um passo

Dois passos

Três passos             quatro

(a tudo se ultrapassa                         o poeta encarregar-se-á de lhe atribuir um valor único

                      Uma imagem preciosamente sã. É aí que o poeta é louco

é aí que os outros o desconhecem.)

 

 

 

E se eu vos gritasse que não existem poetas                       acreditavam?

 

  Top

 

 

Espero de uma sibila de linho

                                                                        a mutação

e que sofra de vagotonia

                                                                        o gesto mágico

e que sofra de androfobia

                                                                        a anatomia.

 

 

 

Espero de um clown de napa

                                                                        a esperança

e que ria até chorar

                                                                        o sonho

e que ria até chegar

                                                                        a voar.

 

 

 

É isto que me pertence com um ceeeeee mais prolongado                   se não

se importa

                  uma ovelha                                     ahahahahahah

                  uma velhacolherdezinco

                  um sol gasto

                  um telex agoirento

                  umatelabrancaconspurcada

e sendo assim

 

VVVVIIIIIVVVAAA OOO PPPRRRRÍÍÍNNCCCIIIPPPEEE

---------viva o príncipe---------

 

( não posso mais                                             estranho estou

    em eclipse                                        um eclipse em efeito

               uma coisita qualquer destas detém-me

                  oh                           todos sintetizados

fariam        ZZZZZZZZZZ                          Édipo

eis o vento que procurais                              como

sempre este pensamento bloqueia-me

quero aprovar uma grande ideia qualquer

esta efémera ânsia                                           esta

interminável corrida branca.)

 

 

 

 

 

Nada pretendo

retendo o elenco incompleto                      recrio-me genialmente

sem escuros cigarros longos                      sem desejo de os fumar

olha-olha-olha-olha a lua

                                        ébano

                                        ecuménico

                                       meretriz

meretriz das meretrizes esta lua

número

depressão

magnificência

fluido berrante

em Grenoble-cidade onde nunca estive                            sonha-se.

Despacho

cumping

carabineiro

apartheid

em Grenoble-cidade onde nunca estarei                 destrói-se.

 

(andeiporaí                         euandomuitasvezesporaí

asnoites                          osfinsdetardeeasnoitestempestuosas-

agradam-meespecialmente)

 

 

 

 

 

Procuro um som amigo para este momento                       este coro

gregoriano                que pasta dentífrica esta me destruiu o sabor a

podre que tinha em os lábios                     este café salgado que me

revolta                   nada                   tracinho              agora um um

pequenino tracinho ficava lindamente                   assim -         psst

psssssst          nadadistoprocuro                lua estab            aiaiaiaiai

que me enganei                    lu-a es-ba-ti-da                   ba-ti-da-a-a-

-vi-da-es-ta-e-le-ge-o-ar-le-quim              ue comprimido este me

confude os desejos                   mas e falando de avião

aluavaideavião                       ocomboiovaideavião                        a

            mas a promoção seguinte decompõem-me        este inchaço

em o pescoço                será coisa má                        ahahahahahahahah

                  SERÁ                     S E R Á                         BASTA

basta              o grito que pretendo deverá

                                        divirrá serr uma panterrra negrrra empalhada

 

 

a composição não será única                           porque a nulidade de tão

vasto projecto                         assustou o arlequim.

 

 

 

 

 

Nero exige a imediata punição.

Faltam-me palavras      não sei quem andou por aqui

que mão remexeu o fundopálido da minha secreta gavetavermelha

              mas noto                     noto que me faltam palavras

e a e a questão surge                    “eu queria…”              eu queria o quê

            mas-o-que-é-que-eu-quero                    PALAVRAS MUITAS

PALAVRAS              algumas palavras poucas                 eu bem sei que

em o fundo pálido da minha gaveta vermelha                           existiam

umas tantas letras e expressões inéditasalgumas e outrasnão

que sinto               agora                  necessidade de utilizar                    e

até a ninguém interessavam                           se eu pudesse

masporquepoderiaeuEU                        se eu pudesse                   pudesse

eu esta mania de grandeza eliminar                  não deixo                porém

      de pensar eu a revoluçaõ é necessária e urgente, mesmo que

para efectiva-la morram patriotas         nãoháninguémnãoinocente

mas que vício este

                           noitebranca

                                               brancanoite

brancanoitedebranco            brancodenoitebranca                      écomésemcomé

écomésemdeouporquemécom                      bemBEM

 

interessa                     agora                         o poeta:

 

 

 

 

eis o poeta:

 

Angelicamente fosse                                                                             Porque não

            eu, o rei                                                                                    destituir o rei?

sublime a donzela                                                                                  ao som inocente

se renderia                                                                                            do pipipi

                                    religiosamente                                                   pipipipipipipipipipi

 

(por gestos recriados)                                                                                 faz

bestialmente fosse                                                                                 fazia a criancinha

             eu, o rei

resignada a donzela                                                                               bela

se quedaria                                                                                           oh que bela

                                    tristemente

 

( o herói                 re surge                                                                                                  condecorado

                                re trai-se                                                                                                 em o palco

                                re presenta                                                                                            sem ponto

o herói

O  H E R O I                                                                                       ama

O herói abandona                                                                                                                louco

A he rói a bbb  di  ca

                                (solenemente)

 

(por sonhos encarnados)

timidamente fosse

   eu, o rei

eufórica a donzela

se daria

                                    inteiramente

 

 

galantemente fosse

     eu, o rei

encantada a donzela

se entregaria

                                    delicadamente

 

A   D O N Z E L A  A N D A

perdididididinha                                                                        em a candura dulcineia

a donzela anda                                                              em a lua fantasmagoria

perdida

anda perdida

PERDIDA       DESGRAÇADA

coitadinha

anda perdida

 

 

(a saber: O AMOR É UM FALSO TEMA)

 

 

Em o outro dia                perante um quadro futurista                             andava

eu à procura da via rápida Faro-freixo de espada à Cinta onde

              sob designação “CONFIDENCIAL”                 se encontra uma

tese                              creio que a única                   sobre o aparecimento e

posterior evolução do quartzo como novo e importante mineral

        quando encontrei a verdade:

                                    virgens          estrelas          meninas

                                          caindo em lágrimas por mim

                                   partirei à busca de novas heroínas

                                   e do impávido rosto do mandarim

e se eu pudesse

                       transportava a lua

                                                   para

                                                          amá-la

                                                                     às escondidas

e depois                     depois seria sempre dis sempre dia                          detesto

este fim d’ano                             os contos irreais d’Anderson                            a

revolta inútil de James Dean                              o som sempre igual sempre

da cidade                   masmas que relação poderá ter o fim d’ano

          os contos irreais d’Anderson              a revolta inútil de Dean

                 o som sempre igual da cidade com comcomcom

n-nada                nada disse                   eu NUNCA digo coisa alguma

                           se falar demais                    Nero como o anafado polegar.

 

 

Virado para baixo               dar-me-á como                     embora insuficiente

é certo                       como sobremesa aos seus famintos leões

importados d’África sem terem estado de quarentena                             o que

             como se sabe             constitui grave infracção                               mas

           como tentava eu dizer             a minha aversão vai de avião

   o senhor meu vai de avião                            as reluzentes e gordas faces

vão de avião            os ilustres intelectuais também vão de avião

        quem não vai de avião            digam lá               digam lá

the dog                        THE DOG não vai de avião          EU NÃO VOU

DE AVIÃO                    a alegria não vai de avião

 

 

 

 

(a saber: FREIXO DE ESPADA Á CINTA É UM MAU LUGAR)

 

 

 

  Top

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parte Segunda

 

 

 

Aqui

A breve turbulência

Avelãs carcomidas

Em o flash noctívago

                                      (lágrimas      lágrimas)

 

Dissecar

Esse uivo aluarado

Poderoso amante

Que sonha

Flauta rouca em a pedra fria do

Mmmar

             ( lágrimas        lágrimas)

 

 

Aqui

Erguem-se dominadores anjos roxos          roxos

Angelicais gotas

Em a palma da mão

 

Intimidade tão secreta

Este último verso

Forjado

                (lágrimas)

 

Con  den  densa                                          con  den    densado

Que derradeiro

Desalento

                (lágrimas     lágrimas)

 

Simples amigo

Sulco amargo

Da ruela escura

Ensanguentada

Parda

Tarde que noite nunca se fez

 

Bem vindos         bem vindos

Eia!!

Estames

Cálice transbordando

Madrepérola

Retida

Em a fugaz visão da frescura da paz

Música geometricamente branca

Que me atrai feroz

                                  (lágrimas)

 

E sigo-a     libertando-me

 

Aqui

Profundo modo

De morrer

De morrer

Re     cor    ro                              re     cor      rer

 

Eia!!

Figurino grotesco

Despido

Re      nas     cer                             nascer

                                                                           (lágrimas)

 

Sem dúvida

Re   nascer

 

Siderais monstros verdes

Aqui

És tu

Líquen

             (força         agora

                                        Ena!         Que morte!)

 

 

Se eu volto

Estridente

Inquieto

Alastro-me

Entre feridos cambaleantes

Moribundos

Entre o estandarte pátrio

Lúcido

Intacto

 

Ah                        o meu segredo pela solidão

                             o meu segredo pela solidão

                             por ele

                                      so…...............dão

(lágrimas)

Aqui

Escarlate a nuvem

Ladrilha

Qualquer dia

Em uma antologia

De álamos

-primeiro rochedo -

Ei!!    Tantas fadas

Com um gesto apocalíptico

Comem-lhes as verdes folhas

                                               (força     agora

                                                                     ena!! Que morte!)

 

Aqui

       (lágrimas lágrimas)

Sorvo constelações

Eterno   terno

Viajante

Ante poderosas lágrimas

 

Aqui     ser poeta é

Ah!

Eu sei       eu sei

                        (lágrimas)

 

A minha viagem

Tão branca

Em a galeria         catacumba

Em o crepúsculo impaciente

                                           (lágrimas    lágrimas)

 

Em ti

       POESIA

Aqui

Decapitado

Tumultuoso

O digno do ser

As abóbadas amplas

Suportam

O gélido olhar

Entre alamedas longas

                                    (lágrimas)

Aqui

Lanço a minha débil mão

Ao rio

E paro o tempo

 

Sorrir

Oh!              Sorrir

E morrer

               (lágrimas)

 

E morrer     Morrer

                                (ena!!    Que morte!)

Em lágrimas

Por mim

Acima de tudo

Unicamente

Por mim

Por   mim!!

O poeta!

 

Toma                é para ti este sonho       simples sonho onde tu

és a protagonista. Eu               eu sou o ponto     patético ponto!

Existe uma rosa                       pressinto uma criança.

Espero                  quero reaprender contigo     porque a rosa

não me agride                     porque a criança sou eu.

 

 

Toma                   é de ti este sonho                    sarcástico sonho onde

me elegeste imperador:

a tua mão chama                urgente    pela minha

a minha mão pede              tímida       a tua.

 

A matemática                        a filosofia              tudo são profundos

espaços retraídos e húmidos                      em contraste com a vasta

planície verde e fresca                      onde me sonhas.

 

Há uma provocação admirável em cada sombra:

a sombra domina            superiormente     a realidade.

Há     também                      uma fuga conscienciosa em tecnicolor

Fantasia – berlioziana – em – mi – menor – irreprimível – em – os -

- passos – cadenciados – inventados – por – ela – instante - a instante.   

 

 

 Top

 

I

 

Um dia

Irei desejar ser a vela solitária de uma só cor                                  que

passeia              despreocupada            em o mar calmo dos teus olhos

claros                         que descobrem quando me perco em flagrantes

contraste.

E         agora                           quando olho para ti                  reconheço

não serem os teus                      os olhos por mim desejados.

 

                                              

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

II

 

 

 

Um dia

irei repartir-me em as nuvens prenhes de luxúria que acordam em

todos os inúmeros beijos recusados e logo                         falsa e

timidamente                 concedidos por ti           

Meus órgãos                     então dispersos                          serão o

escarlate estandarte erecto                      notado e admirado em todas

as regionais romarias representativas e                         em todos os

estranhos enterros estandardizados de poetas e lunáticos

pintores e boémios                          ele será superiormente suportado

pela mais jovem e bela carpideira

E               aí               minha sombra tremula reassumirá o sol casto

que fui e que nunca mais tornei a ser desde o instante em que me

dispersei em os teus ternos lábios.

 

 

 

 

 

 

 

 

III

 

Um dia

serei o tom indefinido                 reposto em a máxima magnitude

      ímpar                      com um transcendente toque indelével

espantando supostas sensoriais divagações do meu incompleto

olhar intempestivo                  e                  e            aclarando

o precoce rictus imposto pela beleza pura do voo planado da

branca ave celestial           serei                  repito             serei

o sentimento tal exigido por mim para oferta desinteressada

a essa tua falsa e necrótica necessidade em

profundamente                        me magoares.

 

 

 

 

  Top

 

 

 

I

 

 

Em as longas tardes caídas sobre o leito manso estendido

algures em o teu cativo e delicioso ser                as águas

tépidas e amigas do meu pensamento      visionário mas

inofensivo             recriam situações únicas

fantásticas aguarelas policromáticas onde me revejo só.

 

 

 

 

  

 

 

 

 

 

 

II

 

 

Em ti                         construo árvore negra do desespero

com um tronco exagerademnte largo e escuro e delgados ramos

próximos do meu perdido olhar fixo em o possível suicido

         que constituiria o patético acto heróico de me envolver

um pouco mais em ti sem ser                            continuamente

teu.

 

 

 

 

 

 

 

 

III

 

Porém                        procuro novas sombras em a tarde e

retenho-me pensativo                       retido penso que algum duende

de cabelos brancos pintou em os meus tristes olhos

sobre fundo negro brilhante e em perfeita simetria

algumas aves azuis                  recantos espargidos em perfumados

botões de pétalas em intenso descanso e outros fios líquidos de

procura sincera de nosso horizontes notoriamente infinitos

          onde a minha mão busca ema a trágica mágoa tons cinzentos

                       a figura abjecta tua sugerida pela profunda palidez

da tela alva                onde retrato sonhos e enganos e o teu sorriso

absurdo.

 

 

 

 

 

 

Nem todos os sonhos confundo. Nem em todas as perspectivas

as locomotivas me atraem.

O eclipse do lindo sol vermelho

Imagino-o eu sempre sozinho

Com um pé em a lua e em uma estrela o joelho

Tropeço resisto perco-me por carinho.

 

Nem todas as mágoas me esbatem a face. Nem todos os

momentos meus olhos me atraiçoam.

O meu sonho o único que tenho

Recolhi-o em o grande embondeiro descarnado

E se a miragem me foge ainda retenho

A ilha o areal fino o coqueiro encantado.

 

 

 

 Top

 

 

 

 

 

 

 

 

Quero rever Olimpo e naufragar de modo assaz violento em a

Pureza transparente dos teus monocromáticos – cabelos – sonho –

de  - tua – fresca – fronte – meiga – mão – morna – em – a –

suave – face – do – teu – tropicalíssimo – e – sensual – ser e

                        esquecer-me    assim    sendo

criança                        de todos os outros fantásticos mundos:

 

o meu                o meu mundo é o mais real      real –

de - -luz – real – de – túlipas – real – de - -paz – real – de – de – de-

trampa.

 

Bem                   e depois                          e depois pertenço-te em

os intermináveis discursos de terna fragrância embrenhada em os

teus lábios de pessoalíssima cor minha.

 

Que pássaros marianos nascerão                          então

para te defenderem da minha impertinente mão?

 

 

 

 

 

Nada sei                                       desconheço e permaneço assim.

                     Incólume, ausento-me para

outras miragens e todas as ilhas paradisíacas

de semblante nocturno.

                        Sobrevoo                                reparo e impaciento-me

a luz acre

doces sóis diferentes de paisagens idílicas

enlaçam-me.

                       Enternecido contorno atlante

estilete fálico

seduzido pela palmeira erecta do longo manto loiro

deseja-me.

nada retenho                             quero e espero assim.

                   Retiro-me                             sobrevivo e inquieto

meu bote pardacento

pontifica opaco

a vaga assinalada brava

repõem-me em Amaurotum. (i)

                           Enobrecido pináculo altivo

gota engrandecida

pela perspectiva acentuada do lírio brnco

prende-me.

restrito arco-íris iluminado

 

(i) também Amaurota – cidade capital da ilha “Utopia” – Thomas More

 

 

 

em a ilha

banha os diamantes da praia

rubis,                       agora

opalas.

 

 

 

Sinto                   deixo-me chorar e adormeço:

 

Minha nau de proa fenícia

voa e retém-me

Viajo

todos os recantos são oásis azuis de tão brancos

e fico

fico por lá!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Aceita-se entulho.

 

 

 

 

 

Aluga-se Sé Catedral a associação com pedigree.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Avisam-se possíveis visitantes a Vila Nova de Foz Côa

Estar a referida localidade isenta de contribuição predial.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Oferece-se três degraus às nove horas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Vende-se lugar à sombra em o cemitério dos Prazeres.

 

 

 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Precisa-se tocador de bombo.

Pede-se envio de curriculum.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Perdeu-se série completa policromática de lentes de contacto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Trespassam-se conceitos numismáticos prematuros.

Dá-se garantia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Reafirma-se:

                      Aceita-se Entulho!!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sei que uma névoa espantosamente multicor retrata rosas em teus olhos.

Desconheço                  porém               esse mágico gesto que te eleva

                    submissa                   aos lábios meus e esfuma a distorção

que                   por vezes                     te constrói.

 

 

Em essa minha frustração                               as estrelas resvalam da sua

órbita e                     lentamente                         vêm ter-me ás mãos em

forma de concha.

 

 

Os teus seios avolumam-se                    brilhantes                       e irradiam

cintilantes pirilampos que percorrem                extasiadas                        os

segredos que havia guardado para e por ti.

 

 

Em essa minha frustração                                  as fadas metamorfoseiam-se e

os seus longos cabelos prateados cegam-me com o seu negro brilho de lanças

pontiagudas.

 

 

Os teus dedos alongam-se                             repartidos               e sublimam

esquecidos sonhos que me levaram secretos gemidos do mais belo de mim

e que eu havia escondido para e por ti.

 

 

Depois                        as fadas tornam a te longos cabelos prateados e os

teus dedos devolvem-me o que escondera de ti.

 

 

 

 

 

 

 

 

Sei que os declives inexplorados da nossa sombra única redescobrem-se

em a densa floresta sem encruzilhadas em demasia eu o teu corpo/o meu

corpo aparentam possuir. Aí                em um encontro porventura breve

                      sei que nos tornaremos a acariciar em um gesto puro e

fraternal. Aboliremos palavras e tudo mais que denote falsidade e egoísmo.

Sentimos                     agora                   que os segundo são

permanentemente                       reabsorvidos pela doce brisa que te embeleza

e decretamos a total proibição de ambiguidades.

 

 

Desconheço                   desconheço os retratos abstraccionistas que imagino

erradamente sobre duas sombras que se unem todas as tardes em que o sol

me torna mais sombrio e enaltece os lábios teus.

 

 

 

 Top  

 

 

 

 

 

 

 

 

AH!!AH!!

Desta certeza                            a face húmida ilumina-os                    os riscos

finos e longos em demasia das casas                            a espuma branca da

cerveja suspende-se os pensamentos:

                                                            - um – hipotético – cavalo – marinho –

- listado – sobe – à – superfície – e – e –

- desafia – impunemente – uma –

- caravela – quinhentista – que –

- por – mim – irá – amanhã – bem –

- cedo – passear – em – a – linha – do –

- comboio – prateado – repleto – de –

- gente – anónima – entre – a – qual –

- julgo . reconhecer – um – indivíduo –

- baixo – magro – de – queixo – saliente –

- e – fronte recuada – e – com – uns –

- óculos – redondos – pressinto – que –

- ele – ocupa – uma – elevada – posição –

- hierárquica – dentro – das – cúpulas – da –

- Brigada – Unificada – que – recentemente –

- assassinou – o – meu – ilustre – chefe – vestido –

- de – casaco – e – calças – de – fantasia – e – de –

- um – horrivelmente – esverdeado – colete -

- onde – sobressai – oba – o – brancoooooooo –

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- agressivo – da – camisa – sem – etiqueta –

- inúmeras – vezes – lavada – que – me –

- persegue – quase – me – alcança – e – me

- devora – mas – aí – eu – agarro – em –

- trinchante – com – fino – banho – de

- prata – e – despedaço – lhe – os – olhos –

- tortos – e – a – luz – apaga – se – enãosei

- em – que –lugar – me – devo – esconder

- mas – ah – supremo – milagre – descubro

- um – incrível – túnel – com – as – minhas

- dimensões – e – encolho – me –lá – dentro

- à – espera – que – a  - maldita – chuva –

- alivie – um – pouco – mais – mas – o –

amaldiçoado – túnel – começa – a – ficar

- alagado – repleto – de – água – e – não –

- nadar – e – não – sei – nadar – e – quero –

- fugir – quero – sair – daqui – quero – sair

- daqui – TIREM- ME – DAQUI – TIREM

- DAQUI

 

Este mar está calmo                   extraordinariamente calmo

mas                 ah                            estas zonas de produção colectiva

                                    ideias cooperativistas                         por exemplo

                   as quintas                                    por exemplo

em as quintas                       mas que processo de vinificação este que

deve atingir uma cor esta atingir uma doçura esta

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma doçura uma cor e outra qualquer característica que me escapou?

Depois                 jálácámádápá                          as lotações estão de

acordo com a revolta em as Marquesas: Para                        porém

       porém para o mercado municipal só é comercializado o vinho

que sofreu um envelhecimento de duzentas noites de lua nova e

cinquenta e quatro horas tardias de quarto crescente

 

 

 

 

                                                            uma cruz deitada

 

uma carta recém-chegada

 

parte-se

 

aloiça                 isto é                a loiça

 

CONSCIENTEMENTE

 

O    R    A                           E    S    S    A

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os sonhos

                 hã                                 ah…os sonhos

pois, os sonhos são assim

claras espadas

sorrisos

mas               mar és tu?

 

 

Meninas, fadas

os sonhos são assim

 

caminho

 

           abismo

 

                    queda fatal  

 

                                    ahh    acordo!!

 

(nunca conheci sonho que fosse meu)

 

 

 

Madrugadas mais longas

bloqueando-me a mente

cabelos de orvalho

ao sabor da corrente calma

raia enorme                       enorme

estou em um vale branco

avalanche branca

                         vou morrer

 

 

 

 

 

                                                     Sinto-me leve

                                                                                        tranquilo

ah                       acordo!!

 

 

 

 

 

 

 

 

Os sonhos

               hã                                   os sonhos?!

claro          claro                                 os sonhos

malditos

os sonhos!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Dançaria em u                             espaço sem u                   sem desmoronar u

dançaria em u

                       u firmamento

              em u firmamento grená u

             ergueria um u

                                 um trampolim u

                                                         elegante u

                                                          e dourado u

para que u mais belo equídeo erotofóbico se lançasse à reconquista

da sua insigne virilidade posta em dúvida não se sabe bem porquê

nem por quem.

 

 

 

  Top

 

 

 

 

 

 

 

 

Partizan olha-se ao espelho lilás. Em o lado esquerdo aglomeram-se

Vazias garrafas várias. Observa-se cuidadosamente Partizan. Em o

Lado direito uma lúdica cena medieval ocupa integralmente o bege

Pálido da alcatifa. Partizan concentrado                      Partizan pensa:

 

 

 

 

Andava eu, Partizan à aventura em as escarpadas montanhas

azuis a oeste de Incomun City quando lhe surgiu assaz

repentinamente o famoso Jesse Jmes. Desde há muito que

Partizan não suporta o peculiar e algo efeminado sorriso de

J.J. também é já de longa data a profunda aversão que J.J.

nutre pelo tom demasiado escarlate dos sapatos domingueiros

de Partizan. Fitam-se demorada e rancorosamente. Combina-se

o duelo há gerações aguardado para o entardecer e logo aí

escolhem-se as fatídicas armas.

 

Á hora prevista lá estão o pasquim oficial da pequena e triste cidade,

O impopular canal zero de mono cor televisão e todas as respeitáveis

autoridades vivas. Partizan elegante e sobriamente vestido armado

de uma adaga em puro oiro branco com inúmeros embutidos de pérolas

e rubis em o cabo estreito cabo e uma assustadora mancha rubra em a

lâmina delgada e longa, mostra-se anormalmente calmo. Jese James

permite-se acompanhar pelos seus dois célebres revólveres negros, pelo

seu colete anil e blue chapéu e ainda pela sua fina e florida camisa

importada. A expectativa é enorme. É então que alguém brada:

 

PARTIZAN! PARTIZAN! PARTIZAN! PARTIZAN! PARTIZAN!

(Partizan escreve-se com s e não com z)

Bem    bembembem

 

BEM

 

 

 

ninguém mais viu Partisan

porém

algo verdadeiramente espantoso sucedeu em New York

após uma disputadíssima partida internacional de basebol:

um estranho objecto bastante deteriorado

semelhante a uma adaga

foi encontrado.

Bons e ilustres cérebros afirmam já tratar-se da famosa

Adaga de Partisan.

Boatos alarmistas tendentes a destabilizar a situação

está claro!

 

Entretanto,

tem acontecido ultimamente,

a par de outras movimentações já por todos conhecidas,

uma certa alteração

preocupante

em o rumo da Partizan e Associados Limitada. Cartas obscuras

tendências submergidas pelo tom escarlate dos sapatos domingueiros

de Partisan em o tempo que este era o único e incontestável e

glorioso líder

surgem agora plenas de vitalidade e de desejo de mudança.

Mas o povo está tento

em estado de alerta total

e

quaisquer tentativas contra revolucionárias serão recebidas

à pedrada

à paulada

e inúmeras barricadas serão levantadas segundo um plano

previamente elaborado por Partisan antevendo todo e qualquer

desvio em a orientação da dinâmica companhia.

 

 

 

 

 

 

 

 

Se-a-minha-face-verdade-o-que-é-desejasse-e-que-a–outra-face-

-é-a-metira-fosse-sonhar-e-que-penetrasse-em-o-ser-sem-face-

-e-lhe-retirasse-todos os cruéis mecanismos de dupla cnsura-

-se-a-minha-face-fosse-o-que-fosse-o-que-concebi-compenetrasse-

-com-calma-calma-considerasse-me-czar-czarina-comtemplasse-

-me-cuidado-com-se-a-minha-face-à-pulsão-periférica-permitisse-

-pesquisar-profundamente-partículas-puras-nunca-por-tão-pouco-

-me-perderia-

                        sa sa sa sa sa sa sa sa         sabiam ?!

                        nunca por tão pouco me perderia.

 

 

 

  

 Top  

 

 

 

 

PARTE TERCEIRA

 

 

 

 

 

                                                                                                         Dia 10

O reflexo crepuscular da espuma ondulante que caracteriza a

proa viking do “Paz Interior” incomoda-me!

este pequeno barco com uma única vela branca possui em o seu

acanhado porão um little baú de azul porcelana que religiosamente

guarda o bálsamo milagroso, remédio eficaz e de cura imediata de

frustrações agonias e suicídios não consumados

Esta sibilina porção obtém-se a partir de uma secreta combinação

perfeita e correctamente doseada de :

            - quatro gotas de sangue materno em o acto da procriação

            - ¾ de extracto vegetal de branca pomba virgem

            - duas lágrimas vitaminadas enlatadas em os States

            - cinco miligramas de humidade ariana

Coloca-se pela ordem enunciada em o mixing glass

mexe-se como bar spoon          passa-se pelo strainer e serve-se em

copo soft drink visto a mistura não conter álcool.

 

 

Este pequeno barco foge-me sempre que o pretendo apanhar. Já

em inúmeras situações quase o possuí                      mas ou por

uma secreta indecisão minha ou por um natural receio dele

             nunca me foi permitido tocar-lhe.

 

Este pequeno barco vi-o eu nem me recordo por onde!!

 

                                                                                                                                    Dia 18

 

 

 

 

 

A massa do tripartido ser equilibrada a enorme dúvida

metafórica que retorna à ideia/simples ideia inicial.

A abismal diferença de duas zonas perfeitamente

normais e adaptáveis à mísera condição humana em

estado considerado ideal          assusta-me.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A situação não era impossível                                           mas eu considerei-a

logo incongruente. Penso que a vida poderá ser criada a partir do nada:

a dúvida surge quando pretendo criar esse misterioso nada.

 

Consigo pensar em o nada                                       basta imaginar-me longe e

impassível e                  quando sorrir                                        as ondas irão

banhar-me. Eu                   nú                                    farei amor com elas.

 

Não será assim tão simples                                nós é que                           porém

                         porém o quê?                               nós é que não sabemos onde

nos devemos situar. Eu                          eu situo-me mais a leste de tudo o

que me domina!

 

Não há rio mais profundo e claro que a fuga colorida reinventada por

mim em cada passo que dou à retaguarda.

 

Há tudo quanto eu quero!

 

È tão falso                 porque em a resposta à questão - QUEM ÉS TU?

sinto-me imperfeito e a fixação do oxigénio não é suficiente para me

alimentar. E assim                      fico verde. Por falar em verde

eu gostava                             sinceramente                             de ouvir

             neste momento                       Verdi.

 

 

Uma abertura de ópera nacionalista que me despertasse os

Meus fervores patrióticos e eu tivesse que gritar BASTA ! BASTA !

 

BASTA JÁ ! BASTA JÁ ! BASTA JÁ !

 

Basta já o quê? Tudo é demais                           já chega de situações

ambíguas. A ambiguidade não me pertence porque sou feito de

ambiguidades.

 

O dia está extraordinariamente frio. A geada faz parte integral dos

meus olhos. Mas e é deveras estranho                     esta noite não

se formou geada.

 

Frio é aquilo que me domina quando me sinto sem paz e quando me

atacam sub-repticiamente. Detesto estes ataques pela noite. Não

consigo ver o inimigo. E saber quem ele é           torna-se vital.

será grande                       de olhos azuis                     cabelos loiros

                          rosto belo                    espartano? Ou será aqeuilo que

dizem ser eu?

 

 

 

 

Nada acontecerá porque a indefinição nasceu novamente em mim!

 

Oh                         que cena deveras dramática                                           há um

céu                               isto é                          há um célebre esgotamento

de uma coisita a que chamou acumulação e ficamos sem nada.

 

 

Clamem pelo fósforo!

Eu pego-lhe fogo e incendeio o mundo. Rostos carbonizados

                    Fracção da vida sobre a morte.

 

Há uma eternidade quando eu quero.

 

Ora bem                           volto a ter a acumulação. As reacções

são mais lentas. As duas relações diminuem. A produção de energia

é cada vez menos. Um outro processo                      bastante mais

complexo                       envolve as enzimas.

 

A enzima específica alfa entra em o ciclo de Krebs e é uma calamidade.

 

O NAD exerce uma hipotética descarbonozificação e eu não entendo

 mais nada.

 

O citrato de prata                        que reinvento                       não sabe.

 

 

 

porque se chama assim. Não                                   explica-se                         torna-se

a explicar e todos                             sem excepção alguma                     entendem

 

Que                                     oh                        que indivíduos inteligentes!

 

O oxigénio dos ataca novamente. Os hidrogénios

Consequentemente               sentem-se mal. Faço o diagnóstico: falta e fósforo!

 

Controlo a reacção                                mas cometo um erro: a estimulação

deverá ser feita quando existir suficiente NAD e ATP e algum fósforo

roxo. É uma reacção em que nada se passa à margem da adulteração da

noiva macrobiótica. É que, o composto fica reduzido àquilo que

    verdadeiramente é: nada!                 

 

Há uma formação de FAD ao cubo o qual                             por sua vez

              conduz à produção final de ATP. Este                           porém

               diz-me que a situação apresenta-se quente. Não suporto mais

e resolvo colocar                            unilateralmente                  ponto final.

 

 

A relação teria que ser inferior.

 

 

 

 

Como é que esta substância semelhante a um humanóide deformado

                        Estaria apto a viajar até à lua?!

 

Em a lua existem esqueletos da imaginação que de mim segura o sistema

intra planetário em a sua falsa radiografia curiosamente exposta ao cientista

e ao poeta.

 

Há uma forma tridimensional e a cadeia linear nada cria.

 

Mas                               dizem-me que originam forças polares.

É falso!! É claro que é falso!

 

Reconheço que os locais mais activos não me motivam. Não sou

Enzima. Não são possíveis adaptações em semelhantes circunstâncias.

 

Fecho os olhos                          surge                                então

Depois deste estudo pormenorizado                          a tua imagem.

 

 

Reconheço                                com alguma amargura

traços imprecisos                     deslizes imperdoáveis e admito que falhei.                              

 

 

 

 

Prisioneiros sublunares desembarcam em a costa noroeste

o meu pai de fadas e rouxinóis.

Trouxeram em a barca anfíbia violeta deolindas de todas as

cores e Dulcineia que os aguardava impaciente logo correu

a oferece-las ao seu amado.

Cantaria ela em tons sustenidos a ária preferida do meu

inimigo? Ou reconheceria como indubitável o espargir

suave das vagas perfumadas em o convés do meu sonho?

Penso então em o predomínio sensaborão que os finosp

pelos de um pincel mágico exercem sobre a folha lva

de vinte e nove por quarenta e cinco centímetros

                          imagino o centro visual e inscrevo-lhe à

volta espirais a roxo sobre formas

sobre irritantes formas geométricas.

 

 

 

 

 

Um dois três                    desculpem-me                        a

actuação da substância inibidora navega não se sabe bem

por onde e incita-me a falar sobre a solidão:

                                                                        em o oceano

das armaduras de veludo negro                       a heroína e sua

 

delicada companheira debatem-se entre eles isto é debatem-se

entre a contra margem e a falsa profundidade do rio molecular

onde o operador reparte-se e dá-se claramente à síntese

enzimática.

Que fenómeno                 meus caríssimos                  que fenómeno!!

As reacções seguintes lembram-me Paganini

sei porquê                    instrumento do diabo versus coisíssima

nenhuma – eu versus Paganini.

 

Em a cadeia transportadora de electrões orientais onde beijo

teu rosto de sol nascente                   reclamo pela minha

camarada                    LA SOLITUDE                    outrora

esmagada por mim em o ciclo de krebs                      mas

agora permanentemente pedida pelos meus vulneráveis

lábios.

 

Poderia ingenuamente abandonar-me em o ventre cálido

De mais esta amiga de momento                     mas

            Sinceramente              há locais de mim que reagem

de maneira diferente a um mesmo estímulo e eu cada vez

mais me afundo em estas incoerentes divagações e começo

a comportar-me terrivelmente           não é?

 

Mas a solidão                 a solidão é o contraste entre eu e a

minha sombra em um dia de verão aí por volta das quinze

horas.

A solidão                           cor única da minha tela absurda que

representa vários círculos notoriamente perfumados pela

multinacional J convergindo para o centro gravítico que

eu criei a cor nenhuma                 a solidão              dizia

eu                   a solidão é a minha única companheira

              nem melhor nem pior                     meus caros

       simplesmente a única.

 

Dulcineia                  Dulcineia para que se verifique a

gloriosa síntese do vosso amor platónico pretende-se

que se efectue o transporte de electrões e que o oxigénio

inunde a vossa realíssima alcova.

 

Com tão grande quantidade de solidão e de paz                vós

tendes o q.b. para criar o ambiente necessário à projecção

astral do vosso sentido notável de viver sem muitas concessões.

 

Supõe-se que o relaxamento total poderá conduzir à paragem

completa de qualquer órgão vital.

 

Retiro-me e La Solitude acompanha-me                     pois não

será esse o seu dever?

 

Bons dias             meus caríssimos                             gostei de

 

os ver por aqui.

 

 

PS

Reconheço-me                              reconheço que me detesto

e acuso-me desta terrível fragilidade em suportar as vagas

mais fracas de pé como um ser normal.

 

Artigo um

 

Alínea única:

                        - os fracos deverão morrer –

                                                                                            já.

 

 

 

  Top

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                                Dia 20

 

 

 

Uma-faca-afiada-e-agora-um-grito-estridente-agora-uma-

-estranha-volúpia-que-sou-eu                     e-um-sonho-e-

-alterado-e-doentio-e-que-e-modifica-e-a-composição-e-

-outrora-e-cuidada-e-da-água-e-e-e-e-e-e-e-bactérias:

 

1 - Defeitos originados pela ausência pertinente de

substâncias amigas ou pelo excesso/insuficiência

de alguns dos constituintes considerados impróprios

de tal concepção mitológica revoltam o senhor feudal.

As subsequentes doenças sã originadas pela alternância

do sistema aeróbico em anaeróbico de semelhante

projecto irrealista

(em o sistema aeróbico as puras bactérias vivem em profunda

promiscuidade com o ar)

 

a)      A FLÔR NOSSA – é o véu transparente que se

Em o interior do senhor feudal de cor esbranquiçada

Por vezes rosada que me ataca. Este manto transparente

 

 

 

 

representa a unificação das bactérias e sua

posterior constituição em pequenos burgos.

As bactérias transformam o álcool em água

oxigenada e em im gás extremamente volátil

do qual não me recordo o nome.

Porém isto é         tudo isto é e fácil tratamento. 

 

b)      A AZEDIA CRONICA – destrói a infância

bacteriológica e avinagra a pura água e o meu

frágil subconsciente. O álcool inventa em um

passe de mágica instantânea o ácido acético e o

bicarbonato de sódio. Forma-se um outro-mais-

-belo-véu à superfície da água cor de laranja. É

               dizem-me                   a desnaturada mãe

da azedia.

Esta doença creio não tem tratamento. A água ou

se aproveita para licor de merda ou é então destinada

à exportação de abertura fácil em latas

isto é                    destinada à exportação em latas de

abertura fácil para os novos países africanos de expressão

sebastianista.

A lei rigorosa não permite que a água tenha mais que

uma grama vírgula dois de azedia gasosa por litro meu.

 

 

2 – doenças provocadas por sonhos que não

estão em contacto directo com a espiral real

da volta incompleta do nosso senhor feudal e

a minha longa agonia.

            a) O REGRESSO – a água afectada pelo defeito

            referido em o ponto 1 da alínea  a começa por apresentar

            uma intensa alteração de cor até ficar totalmente turva

            com um realmente londrino aspecto e toma um paladar

            insuportavelmente desagradável designado por formiga-

            formiguinha ou recaída devido à formação de um concentrado

            iónico qualquercoisaterminadaemICO.

            Além deste concentrado outras substâncias criam-se igualmente

            destabilizadoras. Novamente aqui a água é atacada. Quando o

            ataque é mais violento a doença toma a designação de regresso

                            ou regresso imediato              domeuser. Se porém a

            agressão é um tudonada menos intempestiva estamos perante

            uma situação manifesta de regresso suave.

 

            b) NãoseiquêITEeAGRIDOCE (agrigrigrigrigrigrigrigrigri

            gridocicicicicicici) – esta doença resulta em parte da formação

            de tal coisita ITE que de acordo com o composto agrigrigri

            grigrigrigrigridocicicicici reformulado confere à boquet repugnante

            simultaneamente não cristalino e amargo.

 

c)      GORDURA – é pouco sim habitualmente é pouco não há a

mínima dúvida de que é raríssimo encontrar-se a água em um

estado destes a todos os level chocante: quando

se serve corre como vento em deserto saaaariano.

 

Referem-se agora a um item que desconheço

por completo. Sei unicamente que semelhante estado

anormal é provocado pelo fermento blábláblábládase

colocado entre famigeradas aspas o qual tema extraordinária

propriedade de eliminar os elementos consideradosestranhos

à manutenção das qualidades vitais da água fazendo-a precipitar.

A água adquire então um sabor repulsivo sonhocozidodescorado

adstringente. O seu correcto tratamento é conseguido pela adição

cuidadosamente doseada de aniblábláoso.

 

3 – Situações onde se incorporam as ditas em os estados

subsequentes e sobre as quais as autoridades camarárias nada sabem:

a)      adquiridas em o shop-center F – a fabricação do molde

metálico referência H não obedeceu à pré-conservação da

água o tempo estabelecido mundialemente como ideal em cubas

hermeticamente fechadas. As mais vulgares são paladar e fedor

a planície metálica e de cimento armado de big city favorecida

pelo ácido bláídrico e por certos alhos franceses os quais apenas

se sabe serem anarquistas frustrados                        e-o-bolor-o-o-

-o-o-o-bafio-o-o-contentor-o-o-balde-o-o-saco-plastificado-o-o-o-ó-

-ó-ó-ó-ó-e-e-e-o-ponto que sou eu!

 

b)      originadas – são creio devido ao excesso de certos

elementos e à insuficiência de outros constituintes do

barro vermelho do qual segundo processos religiosamente

guardados se retirou a água.

 

 

O verder e o acerbo e o verdoengo recordam-me uma

certa época do meu acelerado crescimento.

 

 

 

 

 

A falta de cor é           por fim                um estado embrionário a que todos

Os sonhos obedecem em o início do seu processo evolutivo.

 

 

 

 

 

 

                                                                                                            Dia 25

 

 

O abstracto não existe!

 

 

 

 

Não se permite                                     porque não se permite a lógica

como operação racional menos utilizável                             isto é

como operação racional com maior índice de permeabilidade

a contradições e a erros?

 

 

 

  

 

 

Do ser preocupa-me a sua profunda restrição.

 

Mudo de linha                  de várias linhas                        de muitas

linhas e o ser continua a obcecar-me                      estas igualdades

                       isto é                                 pseudo igualdades

               alertam-me contra falsos ideais pois não será indubitável

que entre estas linhas nada e igual existe?                          e entre o

ser?                 e entre os seres?               o ser é                          por

saber se será mais importante a formação do ser enquanto anarquista

individual ou uma divulagação anarquizante a nível de massas?

 

 

 

 

 

  

 

 

 

Ah                                           a marca

                                                            O som cadenciado

 

Ah                                            o brilho do cristal

                                                                        ACUSA             oserdeegocentrismo

                                                                        ACUSA               oserdevulgaridade

                                                                        ACUSA                  oserdeesquizofrenia

 

Porque vive                        porque vive o ser?

 

                                                imagine-se

 

uma cabeça

                                                    uns pés

                                                     um pés

                                                         co

                                                        ço

                                                EIS UM SER

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                                            Dia 7

 

 

Per-mi-ta---se                                                  oseràaventura

su-ba---se                                                         àconstruçãoinacabadadoser

odeieeee-se                                                       asuamágoa

mas            MAS

mas não se destrua o ser

Por favor

não se destrua o ser

não

por ffavor

não    n-não

se destrua

o ser

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                                            Dia 2

 

 

O corpo diplomático                                     conhecido mundialmente

pelas iniciais C.D.                             contacta-me em pleno raciocínio

matemático e aniquila este novo Pitágoras.

 

 

 

 

 

 

 

 

Por favor                                não se mexam que incomodam o ser!

 

Oh                       que tristeza assumida de tão leviano modo

revela o ser:

                           existo???                         Eu existo?

                               

 

 

 

 

 

                                                                                                            Dia 9

 

 

 

 

A função injectiva não é linear porque irá transcender-se

em uma curva acentuadíssima.

 

Além disso                   aqui não se opta pela virtude máxima

do ser: a sinceridade. O que                unicamente interessa

             é o modo mais veloz e eficaz de o ser se pretender

cativar.

 

Tal enigma nunca o entendi.

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                                                        Dia 25

 

 

 

 

Tal jogo psicológico é elaborado somente para me confundir.

 

 

Nunca semelhante conjugação de sinais dará o resultado pretendido.

 

Que regra pessoal esta oriunda do beco das velhas madizentes e das

beatas disfarçadas em meninas esbeltas em pontos cartesianos em

factos de arlequins e outros novos bolores                 me maltrata!?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                                            Dia 26

                        

                         

Não acredito em a inocência do ser.

 

NADA PARA DIZER                       como sempre nada a dizer

aleluia                  ALELEUIA                   O QUE VERDADEIRAMENTE

INTERESSA É RENUNCIAR Á VIRTUDE e construir algo

maldito como por exemplo                        eeee aborrece-me

imenso dar exemplos             como por exemplo cricricricricricricricriar

um novo ser

 

A máquina devora faminta a consciência do ser               as suas

finas mãos sensíveis                os olhos cor nenhuma de tão negros

           as        ei! ocorre-me agora um aspecto deveras importante:

a vulgaridade!

 

Creio que               em uma análise imediata                  tudo isto

são simples palavras reveladoras de um carácter notoriamente

vulgar.

 

Pudesse eu escrever sempre de modo tão claro!

Pudesse eu agir sempre de modo tão evidente e simples e

 

 

Renunciaria a estas longas viagens imaginárias                                   malditas

em tudo               ingénuas sempre                  e e e perigosamente

doentias.

 

 

 

Abençoado ser                                 abençoado misticismo

 

A dúvida emsombra invariavelmente todos os candidatos À

Academis filosófica

 

A dúvida não existe

 

O abstracto não existe

 

A dúvida é permanentemente inventada por todo aquele que

ah                     desculpem-me               chamam-me à razão

 

 

CHAMAM-ME Á RAZÃO

desculpem-me

desculpem-me

                                                desculpem-me

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                                            Último dia

 

 

Procede-se à chamada

O senhor feudal executa uma mistura simbólica eumadordecabeça

e e uma umaumaaspirinamaismais

observamos todos os defeitos:

a)      a cor pálida antes do Entrudo

b)      a seca fastidiosa antes do dududoce

c)      o mais forte antes do bom senso

d)      o mais leve antes do moribundo

e)      o mais novo antes do corpo

f)       o sabor e aroma menos acentuado antes da derradeira ceia.

 

 

Nota: esta ordem de prioridades deve ser sempre e rigorosamente

            observada para que seja possível aos nossos apurados sentidos

do sonho e da angústia apreciarem devidamente esta impiedosa

realidade que é estar vivo

Mas claro que tudo isto depende do apetite de cada um!

 

 

Pipocas é a iguaria indicada para melhor se apreciar

O famoso cocktail “Vodka blue”

 

  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fim

Top   

 

Janeiro/Fevereiro de 1982

 

 

Entre Novembro de 1980, então com apenas 18 anos, e o início de 1982, Paulo Duarte Filipe escreveu este Volume I da trilogia “Estudo Tridimensional do SER”.

Cinco anos antes, com 13 anos, iniciara um Lento mas progressivo processo de quase total ruptura com todos os métodos, por ele assim considerados, convencionais na abordagem da escrita.

Esta presente edição em nada alterou o manuscrito original que, finalmente, nos permite conhecer o fabuloso e irreverente mundo imaginário de Tom S. McRae, jovem adolescente em plena década de 80, à procura de um espaço próprio num tempo

em constante mutação.